(Des)Conectados

#psicoefeito #pneiportugal

A pesquisa dos psicólogos mostra como os smartphones estão a afectar a nossa saúde e bem-estar e aponta o caminho para retomar o controlo. O resultado desta pesquisa mostra como os smartphones estão a afectar a nossa saúde e bem-estar.

A Apple lançou o iPhone em 2007 e o mundo nunca mais foi o mesmo. Embora o iPhone não fosse o primeiro "smartphone" habilitado para a internet, a sua tecnologia de ecrã sensível ao toque e a biblioteca de aplicações incorporada fizeram dele o primeiro a ganhar apelo no mercado de massa - e isso provocou uma revolução. Agora, os dispositivos móveis sem fios chegam a milhões de pessoas, funcionando não apenas como telefones, mas como navegadores de internet, serviços de mensagens, calendários, câmeras, despertadores, mapas de estradas e leitores de música e vídeo.


Em 2015, 72 por cento dos adultos norte-americanos disseram ter um smartphone, de acordo com um estudo do Pew Research Center (Pew, 2016). Os smartphones, sem dúvida, tornam a nossa vida mais fácil, diz Elizabeth Dunn, PhD, professora de psicologia da Universidade da Columbia Britânica, que estuda as formas pelas quais a tecnologia móvel pode apoiar ou minar o bem-estar, "Ter toda a loja de conhecimento humano ao nosso alcance é bastante útil", ironiza. A tecnologia móvel também tem o poder de influenciar negativamente a nossa saúde e felicidade.

Na pior das hipóteses, as pesquisas revelam que os smartphones podem atrapalhar o nosso sono, stressar e monopolizar a nossa atenção. Mas a psicologia pode ser a chave para ajudar as pessoas a assumir o controle desta tecnologia para evitar tais efeitos negativos e até aumentar o nosso bem-estar. Quem desenvolve estas tecnologia não está no negócio de promover o bem-estar, diz Dunn, mas isso está sob a alçada da psicologia. "Acho que precisamos dedicar muito mais atenção a isto."


Ladrões do sono


Até agora, a pesquisa sobre os efeitos do uso de smartphones no nosso comportamento e funcionamento não se cristalizou em grandes conclusões, em parte porque tudo aconteceu tão rápido, diz Karla Klein Murdock, PhD, professora de psicologia que dirige o Laboratório de Tecnologia e Saúde. Washington e Lee University, "A tecnologia está em constante mudança. É difícil quantificar os aspectos importantes do uso de smartphones quando os aspectos qualitativos estão constantemente a mudar."

No entanto, alguns padrões estão a surgir. Algumas das evidências mais estabelecidas concentram-se em torno do sono, "Acho que temos uma massa crítica de pesquisas que indica que o uso de telemóveis durante a noite deve ser evitado", diz Murdock.

Embora os smartphones sejam muitas vezes apresentados como dispositivos que aumentam a produtividade, a sua capacidade de interferir no sono pode ter o efeito oposto em fazer as coisas acontecerem. Russell E. Johnson, PhD, professor de administração da Michigan State University e colegas, descobriram que quando as pessoas usavam smartphones durante a noite para fins relacionados ao trabalho, relatavam que dormiam mal e estavam menos envolvidos no trabalho no dia seguinte.


Interrupção do sono


Uma explicação para a interferência do smartphone no sono é a "luz azul" que os smartphones e outros dispositivos tecnológicos emitem. Esta luz afecta a produção da hormona reguladora do sono, a melatonina. Mas laptops e tablets também emitem luz azul, sugerindo que outros factores estão em jogo.

Os smartphones são ainda mais portáteis que os laptops ou tablets e são muito fáceis de levar para a cama, observa Murdock. De fato, muitas pessoas usam-nos como alarmes e mantêm-nos ao alcance da mão durante toda a noite. Ler um texto ou e-mail quando vamos dormir pode agitar as emoções ou colocar a tua mente em alerta com as coisas que precisas fazer, "A tua mente activa-se num momento em que é realmente importante estabelecer-se e ter alguma paz."


Mesmo depois das luzes se apagarem, pode ser difícil resistir à atracção do teu telefone. Sue K. Adams, PhD, e Tiffani Kissler, PhD, da Universidade de Rhode Island, pediram a estudantes universitários que mantivessem diários do sono por uma semana. Verificaram que 40% dos estudantes relataram acordar à noite para atender chamadas telefónicas e 47% acordaram para responder a mensagens de texto. Os estudantes que tinham mais probabilidade de usar a tecnologia depois de irem dormir relataram pior qualidade do sono, o que, por sua vez, previa sintomas de ansiedade e depressão (CyberPsychology, Behavior and Social Networking, 2013).


O fenómeno do FOMO


A ansiedade e o uso de smartphones parecem andar frequentemente de mãos dadas. Num estudo conduzido pela Universidade da Califórnia, os usuários leves de smartphones não demonstraram nenhuma ansiedade crescente ao sentarem-se sem os seus telefones. Usuários moderados começaram a mostrar sinais de aumento de ansiedade após 25 minutos sem os seus telefones, mas a sua ansiedade permaneceu estável naquele nível moderadamente aumentado durante o resto do estudo de uma hora. Os usuários de telefones severos ​​mostraram um aumento da ansiedade após 10 minutos sem telefone e, ao contrário dos usuários moderados, os seus níveis de ansiedade continuaram a subir ao longo de uma hora (Computers in Human Behavior, 2014).


Rosen descobriu que as gerações mais jovens são particularmente propensas a sentirem-se ansiosas se não puderem ver as mensagens de texto, redes sociais e outras tecnologias móveis regularmente. Mas pessoas de todas as idades têm um relacionamento próximo com os seus telefones. Pessoas de todas as gerações parecem ter sucumbido ao fenómeno conhecido como "FOMO" (Fear Of Missing Out) ou medo de perder experiências e informações que outras pessoas estão envolvidas em qualquer momento, "Criámos um sistema no qual nos sentimos compelidos a olhar para o telemóvel o tempo todo."

O contacto constante com o mundo digital não é necessariamente saudável ou útil. No mesmo estudo em que ele relatou a frequência com que as pessoas verificavam os seus telefones, Rosen e colegas exploraram as relações entre as atitudes relacionadas à tecnologia e uma variedade de transtornos de humor e de personalidade. Eles verificaram várias ligações, algumas foram positivas - ter mais amigos no Facebook combinados com conversas telefónicas frequentes previa menos sinais de depressão, por exemplo. Mas muitos outros foram negativos. Por exemplo, a ansiedade de não se apresentar com mensagens de texto e Facebook previa sintomas de depressão major, distimia e mania bipolar.


Num estudo de Kostadin Kushlev, PhD, foram acompanhados 124 adultos durante duas semanas. Durante uma semana, os participantes puderam verificar os seus e-mails continuamente durante o dia. Durante o outro, eles estavam limitados a verificar mensagens de e-mail apenas três vezes por dia. Os participantes relataram menos stress diário durante a semana, quando o acesso ao e-mail era limitado. Esse stress reduzido foi associado a resultados positivos, incluindo maior atenção plena, maior autoperceção da produtividade e melhor qualidade do sono (Computers in Human Behavior, 2015).

Esses sentimentos de desatenção e hiperactividade estavam directamente associados a níveis mais baixos de produtividade, conectividade social e bem-estar psicológico, descobriu Dunn, "Há um efeito dominó de termos atenção dispersa por interrupções frequentes."


Conexões da vida real


Infelizmente, desactivar as notificações pode ser mais fácil de falar do que fazer, especialmente na cultura FOMO. Afinal, pode ser muito recompensador usar o telemóvel. Ele foi projectado para que te sintas bem com o telemóvel na mão. Fornece uma sensação de segurança, podes acessar ás informações que precisas, quando precisas. Quando o usas, geralmente recebes informações valiosas ou conectas-te a alguém de quem gostas.

Interacções do mundo real são extremamente importantes para a nossa espécie social. "Interacções cara a cara estão muito associadas a benefícios emocionais", diz Dunn. Conversas por telefone ou vídeo também podem ser positivas. Mas quando tu navegas pelo Facebook em vez de conversares com o teu colega de trabalho, ou vês o Instagram em vez de conversar com o teu cônjuge no jantar, podes perder os benefícios da interacção humana genuína, "Podes estar a perder oportunidades fáceis de conexão social e o impulso emocional que vem com essas oportunidades."

Ethan Kross, PhD, professor de psicologia na Universidade de Michigan, estuda média social e bem-estar. Ele descobriu que quando as pessoas usam os sites de redes sociais passivamente - percorrendo o feed de notícias do Facebook, lendo os posts de outras pessoas, consumindo informações - relatam níveis mais baixos de bem-estar, "Quando as pessoas usam o Facebook passivamente, elas sentem-se piores de um momento para o outro."


A diferença, diz Kross, é que apenas consumir média social muitas vezes provoca as pessoas para fazer comparações sociais, o que pode levar a sentimentos de inveja. A participação activa nas mídias sociais, por outro lado, parece estimular sentimentos de conexão social. Mas a relação entre mídia social e bem-estar emocional é complexa e nem sempre se enquadra perfeitamente no comportamento da vida real.

Por exemplo, diz Kross, tem sido demonstrado que as pessoas com depressão recebem menos apoio das suas redes sociais da vida real, e percebem com precisão que não têm apoio. Mas ele e Jiyoung Park, PhD, da Universidade de Massachusetts, Amherst, e seus colegas mostraram que, no mundo digital, pessoas com depressão realmente recebem mais apoio dos seus amigos do Facebook do que pessoas sem depressão. No entanto, eles acreditam erroneamente que estão a receber menos apoio das suas conexões digitais (Journal of Affective Disorders, 2016).


Retome o controlo


De facto, o uso de smartphones não é inerentemente negativo, podem ajudar a aumentar sentimentos de pertença e proximidade com os amigos. Por exemplo, Kate Magsamen-Conrad, PhD, em Bowling Green State University e colegas, descobriram que entre as pessoas que tendem a ser privadas e reter informação pessoal, a tecnologia pode ajudá-los a promover as relações interpessoais e aumentar o bem-estar geral (Computadores em Humano Comportamento, 2014). Com a tecnologia, como tantas outras coisas, a moderação é fundamental. "Trata-se de obter o melhor da tecnologia, mas ao mesmo tempo, certificando-se de que não nos está a controlar", diz Rosen. "É hora de retomar o controlo." Esse controlo pode vir de vários quadrantes. As pessoas podem tomar medidas para minimizar as armadilhas do uso de smartphones (Veja "Sete maneiras de rever o uso dos smartphones").


Os Psicólogos também podem desempenhar um papel, tanto estudando tecnologia como fornecendo suporte a clientes que têm problemas para se desconectar. Dunn também tem esperança de que quem desenvolveu a tecnologia adopte uma abordagem proactiva, como a criação de programas que facilitam o controlo das notificações que os usuários recebem e quando. Ela sugere sensores que podem detectar quando uma pessoa sai para jantar ou brincar com os seus filhos, por exemplo, e retém alertas sobre actualizações de média social e outras informações sensíveis ao tempo, "Nós não evoluímos para ser constantemente prejudicados por notificações. Com o uso de smartphones, mudámos totalmente a maneira como fazemos tudo em oito anos."

No entanto, a psicologia pode ajudar a melhorar a tecnologia, as empresas de tecnologia já começaram a enviar representantes para conferências de psicologia para aprender com estas pesquisas "As empresas estão atentas, mas precisamos conversar."


Fonte: American Psychological Association (APA)

Lê o artigo original aqui

7 visualizações0 comentário

Posts recentes

Ver tudo