Quão Importante é a Auto-Compaixão?

#psicoefeito #autocompaixão #pneiportugal


A auto-compaixão é uma forma poderosa de lidar com as dificuldades da vida, envolve tratares-te com a mesma gentileza, cuidado e preocupação que mostrarias a um amigo quando ele está a lutar de alguma forma. É a Regra de Ouro ao contrário - faz a ti mesmo como farias aos outros. Normalmente, somos muito mais frios e cruéis connosco mesmos do que com aqueles de quem gostamos, e a auto-compaixão reverte isso para que nos incluamos no círculo da compaixão. Além da bondade própria, a auto-compaixão inclui os elementos de atenção plena e bem comum, que são necessários para torná-la uma mentalidade estável e saudável. Primeiro, para ter compaixão, precisamos estar atentos à nossa dor. Precisamos estar dispostos a voltar para ela, reconhecê-la e validá-la, em vez de ignorá-la ou suprimi-la. Ao mesmo tempo, precisamos ver a nossa situação com perspectiva e equilíbrio, em vez de exagerar como as coisas estão más. A auto-compaixão também envolve o reconhecimento da natureza compartilhada do sofrimento. Em vez de nos sentirmos isolados e sozinhos nos nossos desafios, lembramos que todos são imperfeitos e enfrentam desafios na vida. A ideia de que podemos superar uma adversidade sem olhar de frente para ela é errada, pois se fosse verdade ninguém tinha dificuldade quando fala e revive acontecimentos do passado e é precisamente isso que nos ajuda como humanos a superar a dor, logo como ajudamos outros podemos (e devemos) ajudar-nos a nós mesmos. Digo que é um acto de Amor-próprio.


A auto-compaixão amortece os efeitos negativos do sofrimento, o que significa que as pessoas que são compassivas consigo mesmas têm muito menos probabilidade de ficarem ansiosas, deprimidas e stressadas com as lutas da vida em comparação com suas contrapartes autocríticas. Além disso, os estudos mostram que a auto-compaixão ajuda a longo prazo, reduzindo os efeitos negativos do stress percebido ao longo do tempo. No entanto, isso não ocorre porque os indivíduos compassivos são bons a desligarem-se das emoções negativas. Na verdade, a auto-compaixão envolve estar mais disposto a vivenciar sentimentos difíceis e reconhecê-los como válidos e importantes. Numa abordagem de auto-compaixão, em vez de te tentares livrar dos sentimentos dolorosos e substituí-los por outros "melhores", as emoções positivas são geradas ao abraçar o teu sofrimento com gentileza e cuidado, para que a luz e a escuridão sejam experimentadas simultaneamente. Essa atitude amigável e benevolente fortalece a tua capacidade de lidar com as dificuldades e encontrar o seu lado positivo, ajudando a explicar por que as pessoas autocomiseráveis ​​são mais felizes, mais optimistas e satisfeitas com as suas vidas do que aquelas que se negam a si mesmas.


Outro estudo sugere que a auto-compaixão serviu tanto de protecção quanto de reforço, ajudando as pessoas a sentirem-se menos ameaçadas e angustiadas com a pandemia (ou seja, atenuar o sofrimento) e também ajudou a ver os benefícios potenciais para a situação, como ter mais tempo para relaxar (ou seja, aumentar o bem-estar). As descobertas acima mostram que a auto-compaixão pode ser aprendida durante qualquer desafio nas nossas vidas, ajudando a reduzir o mal-estar e a promover o bem-estar, e sugere que é uma abordagem que vale a pena seguir. Esses benefícios de protecção e construção duraram pelo menos um ano, e a satisfação com a vida realmente aumentou com o tempo, como aprendemos por repetição os resultados daqueles que praticavam a auto-compaixão com mais frequência experimentaram maiores benefícios.

Estas descobertas sugerem que quanto mais nos apoiamos intencionalmente ao confrontar os sentimentos difíceis, mais resilientes seremos a longo prazo. Trazendo os três componentes da auto-compaixão para influenciar nossa experiência da pandemia pode ser mais ou menos assim: primeiro, estar atento à nossa angústia, abrindo espaço para emoções como medo, incerteza ou tristeza, sem tentar suprimi-las ou fazê-las ir embora. Em segundo lugar, olhar para a humanidade comum a qual nos ensinou que a pandemia permitiu perceber que esta é uma experiência partilhada e que, embora possamos sentir-nos solitários por causa do distanciamento social, estamos todos no mesmo barco. Em terceiro lugar, a auto-bondade pode envolver falar connosco mesmos com um tom caloroso e compassivo, dizendo as palavras que precisamos ouvir para nos consolar ou transmitir confiança nós mesmos.


Fica com este último pensamento: Os caminhos fáceis não te levam a lado nenhum.

Obrigado por leres e estares ai!

www.psicoefeito.com