A Arte do Foco – Como reclamá-la para a tua Mente neste Mundo Moderno

#psicoefeito #pneiportugal

Qual o recurso que tem o valor mais alto hoje em dia e na nossa era? É o dinheiro, é o tempo? Cada vez mais e mais especialistas em diferentes campos que vão desde a economia para as neurociências concordam ... é energia, e a capacidade de direcioná-la para um único ponto, usando uma capacidade que chamamos de foco.

De facto, os recursos acima mencionados êm os seus méritos. Autores e gurus de produtividade como Timothy Ferriss dizem-nos que o dinheiro sem tempo não tem valor. Enquanto outros validam a ideia de Tony Shwartz autor de “O poder do engajamento total” que disse que quando se trata de atos de criação, é a energia focada que faz a criação.

Numa TEDtalk em que falou sobre os perigos da distração, Dr. Cal Newport, autor do best-seller "Deep Work” vai mais longe ao dizer que a capacidade de se concentrar e ver tarefas através da sua conclusão é a capacidade mais valiosa na nossa sociedade de hoje. Os neurocientistas e psicólogos comportamentais recrutados para estudos que visavam construir uma “barragem” no cérebro com distrações usando métodos persuasivo com ajuda da tecnologia como por exemplo, a rede social favorita, concluíram que a competição pela nossa atenção é real e feroz.


Sim, scrolling constante, swipes, links e “gostos” tornam difícil o nosso foco, mas os seus efeitos nos nossos cérebros podem ser muito mais insidiosos. Numerosos estudos mostram como o nosso mundo ultra-conectado está literalmente a religar os nossos circuitos neuronais, mudando a maneira como pensamos e contribuindo assim para perdas no nosso cérebro de nutrientes e metabólitos essenciais. Mesmo para aqueles que reconhecem o valor do foco como poder de criação, deparam-se com uma batalha difícil para contrariar estes condicionamentos e recuperar a sua plena função cognitiva. Isto é frequentemente onde a cafeína, suplementos e drogas inteligentes entram na equação. E quando os seus efeitos de curta duração desaparecem, eles ressoam em dependência, o que resulta em maior dependência dessas substâncias para o cérebro.


Depleção do ego: o inimigo do Foco


Em agosto de 2011, o artigo “Você sofre de fadiga de decisão”, apareceu no New York Times, que destacou o valor de um século literal de pesquisa (que remonta à hipótese de Freud que a atividade mental está diretamente relacionada à transferência de energia no cérebro) em torno do fenómeno da depleção mental. A pesquisa que veio à luz na sequência desse artigo e outros assim, tudo aponta para uma explicação bioquímica por que a nossa capacidade de focar diminui ao longo do tempo e como isso é acelerado pelo nosso modo de vida moderno, que inclui níveis elevados de stress, ingestão reduzida de micronutrientes e exposição crónica à informação e tecnologia.

Um estudo recente mostrou que os médicos que estavam de banco nos hospitais, experienciaram menos capacidade de descanso e de reparar energias independentemente de terem sido chamados a trabalhar durante o banco. Isto parece que o simples ato de nos mantermos sempre atentos – sempre à procura de emails recebidos, mensagens, posts e atualizações – é suficiente para nos impedir de recuperar totalmente a nossa necessária função cognitiva.


Um sistema saudável experimenta ataques regulares de depleção (esforço) e repleção (recuperação). Qualquer pessoa que participa em qualquer tipo de exercício, seja baseado em força ou resistência, sabe que o progresso só pode ser feito com recuperação adequada. Devido à natureza do esforço físico, as principais fontes de energia como fosfato de creatina e glicogénio são utilizados e empobrecidos e devem ser repostos com descanso e nutrição antes que se inicie outro treino. O cérebro não é exceção. Assim como qualquer outro órgão ou sistema no corpo humano, ele também deve ser reabastecido. No entanto, porque não sentimos os nossos cérebros trabalhar da mesma maneira que sentimos os nossos músculos, às vezes esquecemos este facto e exigimos ainda mais de nós mesmos sem alimentar o nosso cérebro com as suas necessidades.


Recupere o seu Cérebro


As seguintes estratégias incluem as 3 principais dicas que podemos implementar a partir de agora, para recuperar o cérebro e aumentar a nossa capacidade de foco e concentração.


1. Definir Restrições Positivas

Independentemente dos suplementos que tomamos, uma das melhores maneiras de

proteger o nosso foco é reduzir a exposição a distrações que drenam o cérebro. Como já discutimos, o cérebro esgota-se mais prontamente por ataques prolongados de distração, mesmo sendo leves (por exemplo, esperar por uma chamada ou e-mail). Quando ficamos conscientes disto, podemos aumentar a nossa consciência de quando nos estamos a distrair e com que frequência ocorre e gentilmente começar a deslocar o nosso comportamento para alocar os nossos recursos mentais numa maneira que é mais eficaz e benéfica para o cérebro.


2. Priorize a Nutrição Adequada

Os produtos alimentares que são nulos em micronutrientes também têm um enorme impacto sobre o nosso cérebro e as suas moléculas de energia. Até (e até mesmo enquanto) a suplementação ser absorvida, uma estratégia central para o foco deve ser preservar os recursos do cérebro tanto quanto possível. Comer alimentos ricos em nutrientes (i.e. alcalinos), evitando aqueles que acidificam o corpo e não oferecem benefícios positivos, é uma ótima maneira de fazer isso.


3. Suplementação Proativa

A maioria de suplementos alegando benefícios Nootrópicos (i.e. são substâncias - sintéticas ou naturais - que melhoram os vários aspetos da cognição, enquanto não apresentam toxicidade ou potencial para adição) são projetados para fornecer energia de curto prazo que é frequentemente acompanhada por uma redução dos níveis de nutrientes necessários não só para a função cerebral, mas também para a saúde do cérebro a longo prazo.